História


albertoroberto.jpg

Chico Anysio é o maior ator brasileiro. Ele criou nada menos que 208 personagens com personalidades, vozes, trejeitos e fisionomias totalmente diferentes. Para quem quer rever o humorista no auge de sua carreira e para quem não viu e quer conhecer foi lançado o DVD “Chico especial” .

O DVD é uma coletânea dos personagens mais importantes de Chico em diferentes fases, por cerca de 20 anos de televisão brasileira. O mais interessante é que muitas piadas simplesmente se mantém pertubadoramente atuais.

Tim Tones, Justo Veríssimo, Alberto Roberto, Silva. Imperdível.

_____________________________

_ Para saber mais sobre o DVD, clique aqui.

_ Para ver Tim Tones no You Tube, clique aqui.

_ Para a página oficial de Chico Anysio, clique aqui.

Anúncios

A respeito do texto de sexta-feira, um aluno me perguntou sobre a questão da nacionalidade para os kosovares. Ele não entendia o porquê da separação do país. Para brasileiros como nós, cuja identidade nacional tem menos de 150 anos, observar este balaio de gatos que é a Península Balcânica parece meio confuso. E é.

O grande problema da região onde está o novo país é a questão étnica. Kosovo tem população de maioria albanes. Aliás, a Albânia é vizinha e principal incentivadora do movimento emancipacionista. Kosovo surgiu da Sérvia, país que tem a mesma religião da Albânia, o cristianismo-ortodoxo. No entanto os sérvios são diferentes dos albaneses-kosovares por serem eslavos, como os russos. Aliás é esta origem comum de suas etnias que primeiro ligou sérvios e russos em um movimento chamado pan-eslavismo — a união de todos os povos eslavos para o engrandecimento.

 

Kosovo, que desde 1999 era dirigido pela ONU, declarou sua independência unilateral da Sérvia dia 18 do mês passado. A atitude não foi bem recebida pelo governo Sérvio, que declarou que nunca reconhecerá a independência kosovar, no que foi acompanhado da Rússia — antigo aliado dos Sérvios — e da China. Estes países temem que o sucesso do movimento em Kosovo incentive minorias de outros países — os chechenos na Rússia e os tibetanos na China — à independências unilaterais.

Em outro caminho, os EUA e boa parte da UE prestigiaram a criação do país, insuflando ainda mais os ânimos no conselho de segurança da ONU. O órgão está profundamente dividido sobre a questão.

Não custa nada lembrar que o tiro que iniciou a Primeira Guerra Mundial foi disparado por um estudande sérvio contra um imperador austríaco. O estudante era membro de um grupo terrorista que desajava a independência da Bósnia do Império Austro-Húngaro. A partir do disparo, os austríacos declararam guerra à Sérvia. O apoio russo aos sérvios foi decisivo para o início da guerra.

___________________________________

_ Para saber mais sobre a independência de Kosovo, clique aqui.

A bossa já não é tão nova. Bossa-nova, a expressão dos anos 50, significava algo novo, uma nova moda. A música, fusão do samba com o jazz, recebeu este nome por se tratar de uma nova maneira de cantar samba, gênero até então marcado pela interpretação com voz empostada dos cantores da era do rádio.

Em 1958, foram lançados os dois primeiros discos que podem ser associados ao gênero: Chega de Saudade, de João Gilberto; e Canção do Amor Demais, de Elizeth Cardoso, com músicas de Tom Jobim e Vinícius de Moraes. Aproveitando o período de otimismo do governo JK — ele próprio chamado “o presidente bossa-nova” — e a fase final da política de boa-vizinhança norte americana, a bossa-nova tomou o Brasil e deu a volta ao mundo. Com certeza é o gênero musical brasileiro mais conhecido no exterior.

Não posso me dizer fã da bossa-nova. Apesar de uma de minhas primeiras incursões da MPB ter se dado através de um disco do João Gilberto que meu pai tinha. Adorava Águas de Março na versão “um banquinho e um violão”.

________________________

_ Para saber mais sobre a história da bossa-nova, clique aqui.

_ Para ver e ouvir “Chega de saudade” intepretada por João Gilberto e Tom Jobim, clique aqui.

Em meio a aula sobre Renascimento Cultural, no momento em que eu falava de Leonardo da Vinci, veio a pergunta:

— Professor, é verdade que da Vinci era gay?

Eu não sei de onde vem esta curiosidade do povo sobre a sexualidade alheia. Parece que sendo gay ou não, mudaria alguma coisa. De todo modo, Leonardo da Vinci era gay. Em 1476, da Vinci foi acusado de sodomia — nesta época homossexualismo era crime em Florença.

Ele e mais três jovens do ateliê onde trabalhava teriam mantido relações com o prostituto Jacopo Saltarelli. No entanto, por falta de provas a acusação de sodomia foi arquivada. Anos mais tarde, em 1490, Giacomo Salaï, um jovem florentino, passou a morar com o pintor, reacendendo em Florença os boatos sobre seu homossexualismo.

Para alguns cientistas, a homossexualidade do artista estaria expressa na Mona Lisa. O quadro seria um auto-retrato feminino de da Vinci.

___________________________

_ Para saber mais sobre Leonardo da Vinci, clique aqui.

_ Para saber sobre a teoria da “Mona Lisa” como auto-retrato, clique aqui.

“Em resumo: prestem atenção à esta aula e vocês não serão facilmente enganados como seus pais”.

A causa da morte de Napoleão sempre gerou polêmica entre historiadores. Inicialmente acreditava-se que ele teria morrido vítima de um lento envenenamento por arsênico, realizado por seus guardas na ilha de Santa Helena. Esta tese se comprovaria através da presença da substância nos cabelos de Bonaparte.

Em 2005, um estudo suíço afirmou que o Imperador francês teria morrido de câncer. A afirmação foi feita com base no estudo do tamanho das calças de Napoleão — que teriam seu número diminuído drasticamente nos seus 5 meses finais de vida — e no relato de época da necrópsia de seu estômago, cujas ulcerações demonstrariam a presença da bactéria H. Pylori.

Um estudo italiano, lançado no último dia 12, parece apontar para a segunda hipótese, pois descarta totalmente a possibilidade de Napoleão ter sido envenenado. Os cientistas analisaram a presença de arsênico nos cabelos de várias fases da vida do imperador e verificaram que a quantidade da substância não variou com passar dos anos. Por isto, afirmam que o governante não fora envenenado.

Segundo os cientistas italianos, a quantidade de arsênico nos cabelos de Bonaparte é normal para os padrões do século XIX, quando o produto era largamente utilizado, por exemplo, no processo de fabricação de vinhos.

___________________________________

_ Para saber mais sobre o novo estudo com os cabelos de Napoleão, clique aqui.
_ Para saber mais sobre o estudo sobre o câncer de Napoleão Bonaparte (em inglês), clique aqui.

Página seguinte »