Dinho (atrás); Arnaldo Baptista e Sérgio Dias (guitarra) 

Alguns shows são bons. Outros são antológicos. No último sábado, presenciei uma apresentação do segundo tipo. Os Mutantes, Arnaldo Baptista e Sérgio Dias, unidos ao remanescente Dinho (bateria) e à nova integrante Zélia Duncan, fizeram rock’n roll de primeira, inventivo, criativo, animado e cheio de psicodelia. Algo muito raro nos tempos atuais, abarrotados de bandinhas “rebeldes sem causa”.

No Vivo Rio assistimos ao segundo show da turnê brasileira que marca a volta da banda. E que show! Os velhinhos tocaram direto por quase duas horas, desfilando 22 músicas pinçadas de seus cinco discos. Todas cantadas a plenos pulmões pela massa que não acreditava no que via. No final, uma senhora na minha frente caiu em prantos. Emoção demais!

No dizer do próprio Sérgio Dias: “Este show é para provar que nada é impossível!”

Que bom que não existe impossível para os Mutantes.

__________________________________________

_Para informações sobre Os Mutantes (história, discografia, integrantes), clique aqui.