A máquina 

Férias. Hora de colocar em dia os filmes em que não consegui pôr os olhos em 2006. Para começar, A máquina, um dos filmes brasileiros de maior sucesso no ano.

O sucesso é justificado por dois elementos do filme. Em primeiríssimo lugar Paulo Autran. Quem já viu Autran em ação não se contenta mais com a mediocridade hollywoodiana. Paulo Autran é convincente e comovente. Em nenhum momento a história lhe escapa. É fantástico.

O outro fator de sucesso do filme é o texto. É todo formado na lógica própria do sertão nordestino e recheado de gírias criadas por lá. É lindo e  funciona como condutor ideal para o amor entre Karina e Antônio na cidadezinha de Nordestina, em Pernambuco.

Se você não viu A máquina e gosta de histórias de amor, viagens no tempo e máquinas da morte, não deixe de procurar na locadora.

Ah, tem um porém. Mariana Ximenes canta por um breve momento. Nesta hora, aperte o mudo sem medo de ser feliz. Seus ouvidos vão agradecer.