Lula venceu. Tudo bem, já era esperado. Mas venceu em segundo turno, coisa que ninguém imaginava. Lembrando do ano passado, nos tempos de mensalão, pensava-se que Lula não conseguiria a reeleição. Ao final do ano tudo mudou. A candidatura do PT voava em céu de brigadeiro. A vitória era considerada certa em primeiro turno. Os tucanos apresseram-se para escolher Alckmin como candidato do PSDB. Ia ser derrotado mesmo, melhor escolher um candidato fraco.

Geraldo Alckmin se mostrou forte em eleições. Não era tão “picolé de chuchu” como se dizia. Conseguiu crescer e ameaçar, mesmo que de longe, uma virada no segundo turno. Porém os votos para virada não apareceram. Pior, diminuíram. O PSDB perdeu 3 milhões de votos de um turno para o outro.

A diminuição de votos em Alckmin tem, em parte, relação com as privatizações do governo Fernando Henrique. O PT acusou o PSDB de venda de empresas estatais. Alckmin engoliu a isca lançada por Lula no debate da Band (afirmou veementemente que iria vender o Aerolula, por exemplo). Ficou fácil, Lula cresceu.

Além disto, é preciso dizer a verdade, Lula é um fenômeno na comunicação com a população mais humilde deste país. A comparação das cenas dos candidatos nas ruas nesta eleição não deixam dúvidas. O povo gosta de Lula, não gosta de Alckmin. Eram pessoas agarrando Lula, pulando nele. Ao candidato tucano, apenas apertos de mãos, tapinhas nas costas. Tudo muito frio. Questão de carisma.

O último e grande diferencial desta eleição são as políticas sociais do governo Lula (chamado de assistencialismo por algumas pessoas). A população interage com estes investimentos, precisa deles. Por isto vota na manutenção destas políticas.

Lula lá mais quatro anos. Provavelmente um governo com muitas diferenças em relação ao primeiro (o antigo núcleo duro foi varrido pelas denúncias de corrupção). Quanto a Alckmin, entrou para perder e deu trabalho. Sai fortalecido desta eleição,  pode tentar uma candidatura à presidência em 2010. Só não sei se Aécio e Serra irão permitir.

Anúncios